Um dia em Florença

Santa Maria del Fiore

Florença, 6 de dezembro, de 2016 – Dia 13

Chegou o sábado e nesse dia nos programamos para um bate-e-volta Roma/Firenze. Acordamos por volta das 7:40 da manhã e não encontramos onde comer os deliciosos e costumeiros paninis de café da manhã. Assim, como pretendíamos pegar o trem às 8:30 da manhã, saímos em jejum de metrô para a estação Termini.

Como estava em cima da hora, não conseguimos passagem de trem de alta velocidade para Florença. Tivemos de comprar a passagem da viagem em trem convencional, que duraria três horas e meia. Compramos sanduíches (paninis) e sucos numa lanchonete da Termini, e já fomos embarcar. No trem, fizemos nosso “pique-nique” pois tempo teríamos.  A vantagem foi poder curtir tranquilamente a paisagem italiana durante a manhã, até chegarmos em Florença.

Ao meio-dia, descemos no nosso destino, desembarcando na estação Santa Maria Novella – praticamente dentro do centro histórico e a poucos passos das principais atrações. Na própria estação também havia lanchonete, então acabamos, para ganhar tempo, comendo pizza por lá mesmo, por 12 Euros cada, com refrigerante. O local estava cheio de estudantes, e nos pareceu uma boa pedida pois foi bem rápido, no estilo literal “Fast Food”.

De lá, seguimos a pé em direção à exuberante igreja de Santa Maria del Fiore, o famoso “Duomo” de Florença, jóia toda revestida em mármore branco, esverdeado e rosado. O Duomo é a grande cúpula da igreja, projetada por Bruneleschi. Seu interior contém afrescos ilustrando passagens do juízo final, de autoria de Giorgio Vasari e Federico Zuccari. É possível a subida ao Duomo, mas optamos por não fazê-lo.

Santa Maria del Fiore
Santa Maria del Fiore
Campanário

Anexo à igreja, fica o Batistério San Giovanni, que estava fechado para visitação devido à realização de obras de conservação. Em seguida, passando por ruas aleatoriamente, nos deparamos com a casa onde viveu Dante Alighieri, que hoje abriga um museu. Não chegamos a entrar. Em diante, encontramos por acaso, com sua fachada discreta, quase imperceptível, a capela de Santa Margherita, dedicada aos amores infelizes. A igrejinha homenageia Beatrice Portinari, amor platônico de Dante. Sabe-se que os restos mortais de seu pai e de sua babá encontram-se ali sepultados, mas não há certeza quanto aos despojos de Beatrice, que chegou a se casar com um nobre membro da família Bardi. Na capela há um cesto onde podem ser deixadas preces e bilhetes versando sobre amores não correspondidos.

Capela de Santa Margherita
Museu Casa di Dante
Museu Casa di Dante

Era hora de seguir em frente, e nos deslocamos até a esfuziante praça de Santa Croce, onde fica a igreja de mesmo nome. A praça é um local verdadeiramente animado, onde ficam feirantes de todos os tipos, barracas de souvenires, bebidas, comidas, cantores de rua.

Fomos conhecer a igreja de Santa Croce, pagando cada um 12 Euros pela entrada que dava direito a todos os anexos do templo religioso. Nas laterais da igreja estão os túmulos de alguns notáveis fiorentinos, tais como Maquiavel, Michelangelo, o próprio Dante, e Galileu Galilei. Muitos outros nobres da época repousam ali, principalmente nomes da poderosa família Médici, importante mecenas das artes no período renascentista.

Santa Croce
Santa Croce por dentro
Tumba de Michelângelo
Tumba de Michelângelo

De lá, fizemos o caminho de volta até a Praça della Signoria, onde fica o imponente Palazzo Vecchio, com sua torre e relógio, e uma réplica do Davi de Michelângelo. Ao lado, fica a Galeria Degli Uffizi, um dos maiores acervos de arte renascentista de toda a Europa. Encaramos uma fila que nos consumiu 20 minutos, e entramos às 17 horas para percorrer a galeria. Ficamos até o fechamento, às 18:45, mas foi possível conhecer quase todo o interior do museu. Lá estão obras de renome mundial, tais como O Nascimento da Virgem e Primavera, ambos de Sandro Boticelli, a Medusa de Caravaggio, autorretratos de Rafael Sânzio, a Sagrada Família, de Michelangelo, e algumas telas de Da Vinci, que geram alvoroço entre os visitantes.

Galleria degli Uffizi – O Nascimento da Virgem – Sandro Boticelli
Galleria degli Uffizi
Galleria degli Uffizi – Auto Retrato de Rafael Sânzio
Galleria degli Uffizi – Medusa de Caravaggio

Saindo da Galleria Degli Uffizi, atravessamos a famosa Ponte Vecchio, coalhada de gente, lojas, joalherias, ambulantes, e jantamos pizza a quilo por 11 Euros, e promoção do Mc Donald’s por 10 Euros. De volta à estação Santa Maria Novella, tomamos o trem rápido Frecciarossa por volta das 21 horas, desembarcando novamente na estação Termini de Roma às 22:30.

Ponte Vecchio

Por Cristiano e Letícia, casal de mineiros de BH.

:: E-mail :: contato@cidadesdeoutrora.com :: Instagran: @cidadesdeoutrora

:: Os comentários publicados são de responsabilidade integral de seus autores e não representam a opinião deste blog. Observando que não são permitidas mensagens com propagandas ou conteúdos ofensivos e desrespeitosos. ::

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s